Telefone: (84) 3412-4414 | WhatsApp: (84) 99802-2547

No 8 de Março, mulheres celebram mais de 200 anos de feminismo


Postado em 8 de Março de 2019 - 6:42h

Muito discutido e presente hoje em dia, seja em rodas de amigos ou em uma discussão pela internet, o feminismo marca o Dia Internacional da Mulher e pauta as lutas femininas por igualdade, oportunidades e liberdade.

Mas engana-se quem acha que o conceito é novo ou foi criado junto com a internet. O discurso e as ideias de emancipação femininas existem desde o final do século 18, eles só foram ampliados e reverberaram pela internet, onde ganhou maior aceitação (e críticas).

O conceito de sororidade só foi incluído no dicionário da Real Academia Espanhola na última atualização da versão digital, em dezembro de 2018. Classificado como “amizade ou afeto entre mulheres; relação de solidariedade entre as mulheres, especialmente na luta por seu empoderamento”, a inclusão da palavra mostra o poder e a força dos movimentos feministas na atualidade e na renovação dos verbetes usados.

A luta ganhou maior destaque na era digital, em que a hashtag #MeToo revolucionou Hollywood ao mostrar casos de assédio sofrido por atrizes e funcionárias ligadas ao produtor de cinema Harvey Weinstein, nas marchas das mulheres pelo mundo, e na discussão sobre feminismo na televisão ou na internet.

O Dia Internacional da Mulher começou com a sororidade, quando foi reconhecido em 1975 pela ONU. Antes, o 8 de março era conhecido como Dia Internacional da Mulher Trabalhadora, e marcava a luta das mulheres por direitos e igualdade no mercado de trabalho. A ONU também destaca que “mulheres de todos os continentes, separadas por fronteiras internacionais, diferenças étnicas, linguística, culturais, econômicas e políticas se unem para reivindicar seus direitos a cada 8 de março”.

A data existe desde 1857, quando um grupo de empregadas de uma indústria têxtil protestou nas ruas de Nova York, nos Estados Unidos, pelas precárias condições de trabalho, e marcaram a história como sendo umas das primeiras manifestações femininas.

Fonte: R7